Instituição

  • História
  • Missão, Visão e Valores
  • Organograma
  • Órgãos Sociais
  • Documentos Institucionais

10 Homens Bons, como lhes havia chamado o Rei D. Manuel aos homens do Porto, reunidos no 115 da rua do Bonjardim, que servia de Farmácia Homeopática, no último dia do ano de 1881 tiveram a ideia de fundar uma instituição destinada a Recolher, Medicar e Acarinhar Crianças Pobres e Doentes de Tenra Idade…

Constituíram uma Comissão Fundadora que elaborou os respetivos Estatutos tendo sido entregues às autoridades competentes que, em 15 de Março de 1882, comunicaram a sua aprovação ao mesmo tempo que informavam da aceitação de Sua Majestade o Rei Luís I que fosse dado o nome ao objeto da instituição de Real Hospital de Crianças Maria Pia debaixo da real proteção de Sua Majestade, a Rainha.

Escolheu a Comissão Instaladora os primeiros Presidente e Secretário, em 2 de Junho e aprovado foi o arrendamento de uma casa na rua da Carvalhosa pertencente aos herdeiros da Viúva Chaves.

Suas Majestades, o Rei e a Rainha desde logo foram instituídos os primeiros Sócios Beneméritos e Perpétuos e Suas Altezas, os Príncipes Reais Carlos e Afonso Henriques, Protetores e Beneméritos.

A 5 de Novembro a Comissão Fundadora elegia os primeiros Corpos Gerentes e estes deliberaram que o Hospital abrisse portas no dia 1 de Janeiro de 1883.

28 longos anos foram necessários até se inaugurar o novo Hospital no local aonde ainda é hoje, graças ao estoicismo do Conselheiro Arnaldo Anselmo Ferreira Braga, à doadora do terreno aonde o Hospital se implantou, D. Emília Cabral Pereira Cardoso e que, em dinheiro, muito ajudou à sua Construção, e à inteligência lúcida, aliada a uma alma generosa, do Conselheiro Pedro Maria Fonseca Araújo.

Em atenção à epidemia do tifo exantemático e da gripe pneumónica em consequência da 1ª Grande Guerra, o Hospital esteve mobilizado pelo Ministério da Guerra desde 1918 até Dezembro de 1924, altura em que ficaram prontas as instalações do Hospital Militar.

Aprovada a nova Comissão Administrativa sob a Presidência do Conselheiro Pedro de Araújo, logo se encetaram as obras de reformulação do Hospital que havia sido entregue pelo Ministério da Guerra em condições deploráveis de uso hospitalar.

Reabriu o Hospital em 5 de Maio de 1925, que passou a ter a preciosa ajuda das Missionárias de Maria nos serviços hospitalares com a anuência do Reverendíssimo Bispo do Porto, D. António Barbosa Leão, enaltecendo-se a ação da nobilíssima D. Ana José da Costa que presidia a uma Comissão de Senhoras que colaboravam também financeiramente para o sustento do Hospital, assim como do notável poeta e jornalista senhor António Augusto Pinto Machado que, durante 34 anos foi um dos elementos mais ativos e dedicados ao Hospital.

É imperioso destacar a grande benemérita senhora Condessa de S. Tiago de Lobão, que por via da sua valiosa herança, o Hospital pôde ser ampliado e reestruturado com avultados equipamentos, assim como a prestimosa colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do Centro de Recuperação Funcional, Laboratório, Serviços de Raios X e Consulta Externa, na pessoa do seu Presidente, Dr. José de Azeredo Perdigão.

Na década de 60 o Hospital atinge o seu auge de funcionalidade e até um Posto Escolar foi aprovado pelo Subsecretário de Estado da Educação Nacional, Dr. Baltazar Rebelo de Sousa, pai do atual Presidente da República.

47 médicos do quadro, 25 médicos voluntários e estagiários, 30 enfermeiras, 45 empregadas, 172 camas, serviços de Medicina e Cirurgia, 17 valências médicas constituíam a organização funcional até que, em 7 de Dezembro 1974 o Estado decidiu apropriar-se da gestão do Hospital, depois de, em 1967 lhe ter instituído a Comenda Honorífica de Mérito e atribuído o Estatuto de Hospital Central.

Daquela data até 1 de Outubro 2012 o Estado administrou o Hospital de Crianças Maria Pia e, progressivamente, assistiu-se ao definhar das suas capacidades de uso hospitalar e de edificado.

A Associação do Hospital de Crianças Maria Pia, personalidade jurídica e sempre proprietária do Hospital, que o fundou, erigiu e administrou até Março de 1975, voltará à sua vocação e principal objeto da sua ação, assim que estiver decidido o contencioso jurídico que tem com o Estado Português e Centro Hospitalar do Porto, em virtude da entrega dos edifícios hospitalares totalmente desadaptados ao uso hospitalar e que não a devolução de um Hospital como seria suposto, respeitando a sua titularidade e propriedade privada garantidas pela Constituição da República Portuguesa.

MISSÃO:

A Missão da Associação do Hospital de Crianças Maria Pia está plasmada nos últimos Estatutos aprovados na Assembleia-Geral de 5 de Novembro 2015.

- A Associação tem especialmente por fim geral e permanente dar expressão ao dever moral de justiça e solidariedade.

- No âmbito da sua participação na economia social, concede bens e desenvolve atividades de intervenção social, designadamente:

Na área da saúde:

a) Criando e proporcionando todas as condições físicas de renovação completa suportadas nas condições legais vigentes para voltar à atividade hospitalar nos edifícios do seu Hospital.

b) Sustentando e administrando o Hospital Maria Pia que por si foi fundado e é o seu suporte jurídico, após essa renovação física e logística.

c) Concedendo todo o auxílio moral às crianças e seus familiares que ocorram àquele Hospital, bem como apoio material, na medida das suas possibilidades, aos familiares diretos das crianças que provem ser carenciados.

d) Exercendo, participando todas as atividades que se integrem na política social do País, nas vertentes da saúde e do social, nomeadamente através da criação, administração e sustento, para inadaptados, de infantários, creches e escolas, serviços que alberguem e proporcionem cuidados a pessoas com necessidade de atenção, em situação de dependência e perda de autonomia.

e) Promoção e proteção de saúde através da prestação de cuidados de medicina preventiva, curativa e de reabilitação.

Na área social:

a) Satisfazendo carências sociais, apoiando designadamente a velhice e a invalidez em todas as situações de falta de diminuição de meios de subsistência.

Na área cultural:

a) Preservando, conservando, divulgando e promovendo os seus bens culturais, o seu património histórico, artístico e documental, cooperando com as autoridades na salvaguarda, valorização e fruição dos bens de sua propriedade, defendendo sempre a finalidade própria desses bens.

Na área económica:

a) Mantendo e ampliando o seu património imobiliário que deverá ser regido segundo critérios de eficiência, sustentabilidade e rendibilidade que permitam assegurar, atualizar e desenvolver as modalidades de solidariedade a seu cargo.

 

Na prossecução dos seus fins, a Associação do Hospital de Crianças Maria Pia respeitará, nos limites da Lei, a vontade dos fundadores, testadores ou doadores e, na sua interpretação, orientar-se-á por forma a fazer coincidir os seus fins com as necessidades coletivas em geral e ainda com a evolução destas necessidades e dos meios ou formas de as satisfazer.

 

VISÃO:

A Associação do Hospital de Crianças Maria Pia tem como aspiração, continuar a ser reconhecida Ad Eternum como uma organização de referência, inovadora, prestadora de serviços de qualidade, cooperando com entidades pública e privada que visem sempre a utilização comum de serviços e o desenvolvimento de ações de solidariedade, com responsabilidade comum ou em regime de complementaridade.

Para isso deverá empenhar-se em promover a colaboração e o melhor entendimento com as autoridades e a população em tudo o que respeitar à manutenção e desenvolvimento das obras sociais, existentes ou a criar, através de atuações de carácter dinamizador e educativo, sem impedimento livre dos seus fins, quer na sua organização, quer no exercício das suas funções.

 

VALORES:

- Compromisso

- Ética | Respeito

- Solidariedade

- Independência | Imparcialidade | Integridade

- Responsabilidade | Profissionalismo

- Confidencialidade

Organograma
































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































 

 

 

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a utilizar o website, assumimos que concorda com o uso de cookies. Aceito Ler Mais